Compra de ar condicionado para celas da delegacia de Terra Rica causa polêmica

A compra de ar condicionado para as celas da delegacia de Terra Rica, no noroeste do Paraná, gerou polêmica nas redes sociais. A nota, justificando a aquisição, foi publicada na última terça-feira (9).

Compra de ar condicionado para celas causa polêmica
De acordo com o delegado João Paulo Sorigotti da Silva, a medida será tomada para garantir sossego no local. Já que, por conta do calor, muito presos passam mal e precisam ir para hospitais.

No texto, Silva ressalta que a verba para a compra do ar condicionado faz parte de um fundo formado com o dinheiro de multas. “Esses valores integram um fundo e devem ser usados, obrigatoriamente, em benefícios voltados aos presos.” Ele ainda justifica que, se o valor não for usado em benefícios destinados aos detentos, eles ficam inutilizados.

“A Constituição Federal e a Lei de Execução Penal garantem a condição de pessoa humana aos presos. O Paraná alimenta uma crise carcerária e não há local apropriado para colocar os detentos. Eles são amontoados em salas escuras, úmidas, em meio a ratos e baratas, sujeitos a todo tipo de doença.”

“Medida meramente paliativa”
Silva ainda declarou que, no verão, a temperatura alcança 45ºC e, como não há espaço para todos dormirem ao mesmo tempo, eles fazem revezamento. Segundo ele, esse sistema inviabiliza o trabalho da polícia, que precisa deslocar os investigadores em escoltas dos presos até os hospitais. “A instalação de ar condicionado é uma medida meramente paliativa, para que se possa garantir aos policiais o mínimo de sossego.”

Leia a nota da íntegra abaixo!

Polêmica nas redes sociais

Nos comentários, muitas críticas contra a decisão, como por exemplo: “Enquanto isso… idosos do asilo e hospital passando calor”. Entretanto, outro internauta defendeu a ação alegando que o sistema prisional não demonstrou nenhuma eficácia ou reversão nas últimas décadas.

No post, com 157 comentários e 47 compartilhamentos (até às 10h50 do dia 12/04), outra pessoa indagou o delegado sobre a compra de coletes, armamento e munição para os agentes. Em contrapartida, outra pessoa afirmou: “sábias palavras!! Merece meu respeito e admiração!”.

Uma nota de posicionamento foi solicitada para à assessoria da Polícia Civil sobre o caso. Até o fechamento da matéria, a polícia não havia se pronunciado.

fonte RCmais.